quarta-feira, 17 de abril de 2013

Renascer



A natureza nos dá grandes lições de renascimento todos os dias, especialmente o sol, não é verdade?
Sempre quando  celebramos mais uma Páscoa, costumo pensar sobre a simbologia desse momento, além dos principais e tradicionais significados que já estamos acostumados.
Jesus é, sem dúvida, a personificação do renascimento: uma incrível capacidade de superação, leveza e fluidez frente às dificuldades. Sinônimo de amor imensurável.
A partir daí, meus pensamentos divagam e me levam a refletir sobre a nossa capacidade de renascer. Não estou me referindo ao aspecto religioso, reencarnação,  nada disso. Refiro-me à nossa capacidade de




superar adversidades e aprender com isso.
Acredito que podemos renascer infinitas vezes ao longo da vida:

quando saímos de uma fase e entramos em outra; quando superamos um momento difícil e ajustamos a rota; quando levamos algumas "rasteiras" pela vida afora e acordamos para a realidade.

"A dor é inevitável. O sofrimento é opcional."

Carlos Drummond de Andrade

Existem por aí muitas lindas histórias de superação, protagonizadas por famosos e anônimos.
Eu, particularmente, gosto muito dessa temática, quer esteja em filmes, livros ou na vida real, pois, de um modo ou de outro, acabo aprendendo lições muito interessantes e abrindo os olhos para novos pontos de vista. Sem contar que essas vivências são como ilhas pulsantes, transbordando emoção e sentimento por todos os lados!
É a vida que se mostra de várias maneiras, apesar da dor e de toda forma de sofrimento.

Muitas vezes a dor faz despertar sentimentos que, se existiam, estavam profundamente adormecidos e a vida dá um giro de 360 graus. Tudo muda e surge um olhar diferenciado para a vida, para o semelhante ( e por que não?) para nós mesmos.
Só para citar algumas dessas histórias, eis algumas que você também deve conhecer:





Recentemente li o livro "Encantadores de Vidas" de Eduardo Moreira e realmente me encantei!
A cada página, muitas lições. Lições que vou levar para a minha vida toda. E como uma coisa vai direcionando à outra, depois dessa leitura, fui conhecer o universo de Monty Roberts em "O Homem que Ouvia Cavalos" e, ontem, finalizei a leitura de "A Semente da Vitória" de Nuno Cobra.
Valeu demais conhecer essa tríade! 
Eduardo Moreira fez a gentileza de juntar os grandes ensinamentos desses dois mestres, Monty  Roberts e Nuno Cobra;  cada um com seu estilo e personalidade tão marcante. Além disso, Eduardo Moreira deu sua grande e maravilhosa contribuição ao imprimir a sua própria marca aos ensinamentos recebidos, ou seja, compartilhando com os seus leitores, o reflexo desses ensinamentos em sua própria vida.

São histórias de vida assim que realmente emocionam e que me fazem refletir sobre uma nova forma de encarar a vida; tendo a certeza de que é possível FAZER algo para sermos pessoas melhores e mais felizes, começando com passos pequenos, porém firmes e determinados.
Paralelamente, essas vivências nos alertam para o fato de que certos acidentes de percurso ou acontecimentos marcantes são só pretextos (do destino? de Deus? ) para redirecionar a nossa rota e fazer renascer uma nova pessoa em nós.

Pois é, cada um tem seu jeitinho particular de viver e sentir essas experiências, por isso o renascimento pode ser vivido  e sentido de inúmeras formas.

São tantas as pedrinhas que povoam o nosso caminho. A qualquer tempo surgem problemas e dificuldades na família, nos estudos, no trabalho, na vida afetiva e às vezes em nosso mundinho particular, não é mesmo? 
Nessas horas, experimentamos cada pedacinho do que nosso pensamento consegue imaginar como sendo amargo, doloroso. Mergulhamos profundamente na dor. Tudo parece obscuro, pesado, difícil mesmo. Isso pode levar dias, meses anos ... Mas, de repente, como por encanto, um facho de luz surge e os acontecimentos vão sendo conectados e apontam para uma possível solução.
É aí que buscamos forças em nosso íntimo e vamos em busca dessa luz.
Saímos da inércia e demonstramos vontade de mudar, de fazer acontecer.
A vida nos dá uma segunda chance. A chance de acreditar em nós mesmos e seguir em frente; de encontrar razões e motivos para acreditar que é possível, que pode dar certo, que vai acontecer.
E aí ... acontece mesmo!
Entendo que o momento crucial dessa vivência, é  aquele em que tomamos consciência e aceitamos que algo está errado, ou pelo menos desconfortável, e que precisamos fazer alguma coisa para mudar. Quando liberamos essa energia, sinalizamos para o universo que estamos abertos à mudança; e aí, tudo converge para que a mudança realmente aconteça.

Renascer e aprender ...

Quando estamos envolvidos em um processo de aprendizagem, comumente passamos por etapas bem difíceis, que exigem muito de nós.
Na escola, um peso enorme nos ombros e a sensação de que vamos ser engolidos pelos monstros da Matemática, da Linguagem, da História, da Química, da Física, da Sociologia, da Economia ou quaisquer outros que surgirem.
Essa sensação nos acompanha desde quando ainda somos bem pequenos. Ansiedade por todos os lados, frequentemente dá aquele friozinho na barriga momentos antes da prova começar ou na hora de fazer alguma apresentação para os colegas e mestres. As unhas, coitadas, são devoradas num piscar de olhos.
São sensações que nos põem em estado de alerta para o porvir, e também nos preparam para saborear o sucesso, a satisfação, a felicidade de nos sentir capazes.
Quando renascemos para outros conhecimentos, abrimos as portas e janelas do nosso pensamento para novas possibilidades, desabrochamos em busca de sermos pessoas melhores.
Assim é o nosso processo de alfabetização, assim enfrentamos as provas dos vestibulares, verdadeiros funis, que desafiam a nossa capacidade de buscar o equilíbrio entre o gerenciamento dos conteúdos aprendidos no meio de um turbilhão de emoções e sentimentos e um ambiente árido, hostil e extremamente competitivo.
E isso não para por aí... O que dizer dos processos seletivos para uma colocação profissional?
Testes, entrevistas, dinâmicas, concursos... São tantas experiências frustrantes, muitas lições a aprender, num interminável exercício de auto-controle, paciência e determinação para enfim, renascermos para a realização profissional.
Não quero aqui dizer que só é bom aquilo que advém de muito sacrifício. Não é bem assim, mas é quase assim... hahahaha
É bem verdade que um árduo processo de conquista nos ensina a valorizar cada novo degrau atingido, faz com que saibamos apreciar cada vitória intermediária e isso vai nos dando certa confiança para seguir em frente de cabeça erguida. Isso nos torna mais fortes para driblar as intempéries, mais seguros para defender nosso ponto de vista..
Na maioria das vezes, quando o sucesso vem de forma rápida e inesperada, a ficha demorar a cair (e às vezes nem cai!). Na verdade, não dá tempo de pensar sobre o assunto, de refletir o quão bom (ou ruim) aquele passo significa para nós. Por isso, nesses casos, nem nos damos conta do que conquistamos e muito facilmente destruímos, desistimos, perdemos.
Na vida profissional não é diferente.
Pedir aos céus, sentar e esperar, parece não ser exatamente a melhor saída.
Quando tudo parece bastante difícil, apavorante e tenebroso e, mesmo assim, reunimos forças para romper essa barreira, as coisas começam a dar certo. O universo conspira a favor. Eu acredito!
É preciso dar aquele tão famoso primeiro passo, mostrar ao mundo que estamos dispostos a mudar, que queremos ir à luta.
Não sei se já aconteceu com você, mas na época em que estamos à procura de um emprego, fazemos inúmeros testes, várias entrevistas, ouvimos dezenas de promessas e todas as portas parecem estar fechadas para nós... Recebemos "nãos" gigantescos, várias desculpas esfarrapadas e isso vai nos desestimulando.
Eu sei que não é fácil manter a auto-estima, porque, por mais que saibamos do nosso valor, somos confrontados com tantas pessoas, com tantas qualificações, são tantas as exigências, que isso acaba esmagando a nossa força de vontade. Ficamos reduzidos a muito pouco, quase um grãozinho de areia.
Mas eis que encontramos alguém que nos valoriza, que nos estende a mão (sempre tem anjos de plantão por aí, esteja certo disso!) e isso nos faz acreditar que é possível sim, que vai dar certo e que somos capazes.

Aí vem a Psicologia, pegando um conceito emprestado da Física, e diz que precisamos ser resilientes.
O que é isso? Vou tentar explicar ... Eu diria que ser resiliente é ser flexível e também persistente, ou seja, mediante impactos sofridos na vida, precisamos desenvolver a capacidade de suportá-los e suplantá-los, ou seja, não basta aguentar firme, temos também que, a partir de então, sermos melhores do que fomos. Numa linguagem bem popular, bem aqui entre nós, é como pegar o limão e fazer uma deliciosa limonada e, de preferência, que esta seja "a limonada", aquela mais desejada do mercado, mesmo que estejamos em pleno inverno. Entendeu?
Certamente isso não é fácil. Mas é possível. Precisamos ter um lastro incrível, apoio, família, amigos, e auto-confiança e muita força de vontade.
Recentemente assisti ao filme "A Grande Virada", que retrata bem de perto esse universo profissional, as dificuldades de recolocação e as diferentes formas de encarar o problema do desemprego. Sem dúvida, tem muito do conceito de resiliência ali. Se você ainda não assistiu, vale a pena conferir.



Renascer e amar ...

Os desencontros amorosos tem o poder de contaminar a vida por completo. São bem difíceis de superar. Os motivos vão dos mais banais aos mais profundos: ciúme, falta de comunicação, palavras duras, disputa de poder, traição, e por aí vai...

"... às vezes parece até que a gente deu nó!"

Lenine


Quando o coração está mal, a vida lá fora perde até as cores...tudo fica cinza e sem graça.
Por isso, é preciso saber que não adianta medir forças, pois, na relação a dois, ambos precisam ceder em algum momento, baixar a guarda e aprender a dividir para, então, somar.
Não adianta botar mais e mais lenha na fogueira. É preciso encontrar uma forma de abrandar o fogo da discórdia e deixar arder apenas a chama do amor.
Gosto muito de recorrer a canções para ilustrar essas vivências.
A canção Carvão, de Ana Carolina, é uma das minhas preferidas e  retrata muito bem esse turbilhão de emoções e sentimentos vividos numa relação que surge, cresce descontroladamente e fere...




Esse renascimento tem a ver com delicadeza, respeito e atenção para com o outro. Restaurar a confiança, restabelecer a cumplicidade, reaprender a compartilhar momentos simples do dia a dia, valorizar pequenos gestos, quebrar geleiras e fazer brotar o amor novamente, como se fossem pequenas plantinhas espremidas por entre frestas de um muro antigo... Nessas circunstâncias, renascer é o mesmo que "juntar os cacos".  É o que diz a canção Iluminados, de Ivan Lins. Dá só uma olhada:






Algumas pessoas experimentam o fim de uma relação e sentem a necessidade de buscar uma nova vida, talvez novos relacionamentos. Sim, às vezes é preciso mesmo! Recomeçar!
Acredito que esse renascer só acontece quando coloca-se um ponto final na história anterior, para que não haja contaminação. Fecha-se um ciclo para começar outro. É o chamado "renascer das cinzas".
É um renascer profundo, um resgate da alma, da auto-estima, da vontade de viver. Por isso é tão importante, tão profundo.
A mitologia grega traz a lenda do pássaro Fênix, que simboliza esse ressurgimento ou renascimento. Veja:



Além disso, Fênix é também o nome de uma linda canção de Jorge Vercillo, em parceria com Flávio Venturini, cuja letra é realmente primorosa e a interpretação é de tirar o fôlego.
Sou suspeita para falar, pois sou fã incondicional, por isso é melhor que você veja quão bela é a letra dessa canção (um verdadeiro poema dedicado ao amor) e aproveite para conferir a doçura dessa interpretação.



Bem, essa é uma viagem que não acaba nunca.
 Entretanto, é hora de dar uma pequena pausa aos meus pensamentos... 
Gostaria apenas de retornar ao início do texto, exatamente com a imagem que escolhi: 
o nascer do sol.
Essa imagem transmite, força e delicadeza ao mesmo tempo. Assim é a vida!


A propósito disso (e não deve ter sido por acaso), nesse último final de semana, reparei numa canção que está novela das nove e que vinha me chamando a atenção. Não sabia quem cantava, nem o título, muito menos a letra... Gostava da melodia.

Caiu como uma luva!
A canção é 93 Million Miles. O cantor é Jason Mraz. 
Simplesmente uma canção apaixonante e não me sai da cabeça há dias!

Vou deixar aqui os links pra você curtir também, ok? 
Preste atenção na linda mensagem que ela traz!




Obrigada por me acompanhar até aqui, mais uma vez!
Um grande beijo!


















10 comentários:

  1. Sempre estou atenta a leitura da Bruxinha, afinal leitura que nos eleva sempre nos faz bem.Principalmente com essas grandes lições de vida que nos faz refletir e ver a vida com os olhos do coração. Valeu Bruxinha.... Deus ilumina sempre tua caminhada, tenho certeza. bjao, companheira de LIBRA. (GSantos)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada! Fico feliz que você esteja gostando das minhas bruxarias. kkkk Agradeço imensamente pelo seu carinho. Volte sempre que quiser! bjs

      Excluir
  2. Demais esse texto "Renascer". Parabéns!!
    Acredito que cada dia é um novo recomeço, pois somos seres mutáveis, em constante transformação (falo isso me referindo aos nossos desejos, necessidades e aprendizado). As experiências vividas, sejam elas boas ou ruins, sempre nos trazem algo de novo para aprender. O grande X da questão é que às vezes é preciso fazer diferente e recomeçar, fazer uma nova história. Uma vez li que na vida podemos ser plateia ou atores. Ser plateia é ficar numa posição estática - ri, chorar, aplaudir ou vaiar. Ser ator é ser flexível, se adptar às mudanças, improvisar, ser criativo e até mesmo mudar o fim da história. Na vida temos que ser atores, sair da "zona de conforto" e recomeçar sempre.
    Adorei sua colocação "redirecionar nossa rota e fazer renascer uma nova pessoa em nós". Isso mesmo!!
    Concordo plenamente quando você fala do sol, para mim é energia pura.Toda manhã quando acordo digo para o sol: "bom dia Sol, que eu brilhe como você" - aprendi com minha mãe ela dizia isso sempre. bjs. Daniella Teixeira

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dani, adorei o seu comentário. E se você ainda não leu "A Semente da Vitória" de Nuno Cobra, precisa ler. Tenho certeza que você vai gostar. Ele se utiliza de outras metáforas para dizer exatamente isso que você colocou: deixar de ser plateia para ser ator. Por isso ele dá grande destaque à palavra FAZER. É bem interessante. E quanto ao sol, indiscutivelmente, a energia e a luz que tanto necessitamos. Obrigada e um grande beijo pra você.

      Excluir
  3. Simplesmente Amei!!! Curtir, me emocionei, enfim, viajei nos meus pensamentos, no dia a dia,...sem falar nas músicas...Espetáculo!! Continue assim transmitindo energias e vibrações positivas. beijo. Adri Baltar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda bem que você embarcou direitinho na minha viagem, Adri. Esse "roteiro" foi traçado com muito carinho e as paradinhas nas canções foram estrategicamente pensadas pelo meu coração. São maravilhosas mesmo. Obrigada e mil beijos pra vc, querida amiga!

      Excluir
  4. Parabens amiga.Adorei tudo.Continue postando palavras valiosas para vivermos a vida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada! vou continuar escrevendo e você, continue me visitando! kkkk

      Excluir
  5. Respostas
    1. Obrigada, Érica! Venha me visitar mais vezes!

      Excluir

O pensamento ganha novos contornos quando compartilhado. Portanto, registre aqui seu comentário. Juntos faremos surgir novas ideias.
Fique tranquilo, que seu comentário será publicado em breve, tão logo seja por mim visualizado.

Obrigada pela visita e volte sempre!